CÓDIGO DE ÉTICA DOS TRADUTORES – VER MAIS >>


SINTRA

SINDICATO NACIONAL DOS TRADUTORES

(Parte integrante dos Estatutos do Sindicato Nacional dos Tradutores – SINTRA)

Aprovado em Assembleia Geral em 19 de fevereiro de 1991

CAPÍTULO I

Princípios Fundamentais

Art. 1º São deveres fundamentais do tradutor:

§1º respeitar os textos ou outros materiais cuja tradução lhe seja confiada, não utilizando seus conhecimentos para desfigurá-los ou alterá-los;

§2º exercer sua atividade com consciência e dignidade, de modo a elevar o conceito de sua categoria profissional;

§3º utilizar todos os conhecimentos linguísticos, técnicos, científicos, ou outros a seu alcance, para o melhor desempenho de sua função;

§4º empenhar-se em participar da tomada de decisões do seu órgão de classe e em vê-las acatadas, em particular no que se refere à remuneração justa, às condições de trabalho e ao respeito aos direitos do tradutor;

§5º solidarizar-se com as iniciativas em favor dos interesses de sua categoria, ainda que não lhe tragam benefício direto.

CAPÍTULO II

Relações com os Colegas

Art. 2º – O tradutor deve tratar os colegas com lealdade, respeito e solidariedade.

Art. 3º – O tradutor deve abster-se de qualquer ato que signifique concorrência desleal a outros tradutores ou exploração do trabalho de colegas, seja em sentido comercial ou outro.

CAPÍTULO III

Relações com o Contratante do Serviço

Art. 4º – O tradutor deve servir lealmente ao interesse de quem lhe contratou o serviço.

Art. 5º – O tradutor deve empenhar-se em lavrar previamente por escrito, com o contratante do serviço, as obrigações recíprocas concernentes ao trabalho em causa.

CAPÍTULO IV

Do Segredo Profissional

Art. 6º – O tradutor é obrigado a guardar segredo sobre fatos de que tenha conhecimento por tê-los visto, ouvido ou deduzido no exercício de sua atividade profissional, a menos que impliquem delito previsto em lei ou que possam gerar graves consequências ilícitas para terceiros.

CAPÍTULO V

Responsabilidade Profissional

Art. 7º – O tradutor é responsável civil e penalmente por atos profissionais lesivos ao interesse do contratante de seus serviços, cometidos por imperícia, imprudência, negligência ou infrações éticas.

CAPÍTULO VI

Aplicação deste Código

Art. 8º – Cabe ao Sindicato Nacional de Tradutores – SINTRA a apuração de faltas cometidas contra este Código de Ética, a aplicação das penalidades previstas nos Estatutos do SINTRA e, quando cabível, o encaminhamento do caso aos órgãos competentes.

Art. 9º – Com discrição e fundamento, o tradutor dará conhecimento ao SINTRA dos fatos que constituam infração às normas deste Código.

Rua da Quitanda, 194 – 10º S. 1005 – Tel.:(021)253-1616 -(CGC 29.418407/00012 – 15)-20091 – Rio de Janeiro – RJ – Brasil Filiado à FIT – FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRADUTORES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *