Dicas


PREÇOS DE TRADUÇÃO
(texto do supercompetente José Henrique Lamensdorf, atuando agora em outra dimensão…)
Adotei a mesma estratégia que as fábricas de automóveis japonesas usaram para derrotar suas tradicionais rivais americanas: ofereço um serviço de qualidade superior ao custo da média de mercado.
Para aqueles que procuram traduções baratas, não tenho pudor em recomendar o uso de tradução automática gratuita disponível na Internet. As falhas serão diferentes das que se costuma encontrar em traduções feitas por amadores, porém o nível de qualidade será parecido. O melhor é que se for preciso refazer a tradução com qualidade, terá sobrado mais verba no orçamento.
Ainda não aprendi a técnica de baixar a qualidade para com isso baixar o preço. Na verdade, nem tentei. Prefiro manter o meu padrão.
Alguns insights sobre preços no mercado de traduções
Primeiro vamos pôr de lado o mercado de traduções juramentadas, pois seu preço é tabelado em cada estado. A lei diz que a tabela de preços é obrigatória. Por outro lado, sempre há alguém disposto a infringir a lei; se não houvesse ninguém, a lei seria desnecessária. Se algum tradutor juramentado conceder descontos infringindo a lei, será seguro pressupor que ele não a cumpra em outros aspectos também. É como comprar um produto falsificado, sabendo que é falso. Se surgir qualquer problema, o comprador já terá recebido em dinheiro (o desconto) a “remuneração” para resolvê-lo sozinho.
No restante, o mercado de traduções é totalmente desregulamentado: cada tradutor cobra quanto acha que vale o seu trabalho. E há mais uma peculiaridade… graças à Internet, o mercado de tradução é completamente globalizado. Pode-se enviar o original por e-mail a qualquer parte do mundo, e depois receber a tradução da mesma forma. Para isso não existem fronteiras.
A única dificuldade está em achar tradutores qualificados fora dos países onde se fala o idioma de destino, pois serão poucos. Além disso, há a questão de o tradutor estar desatualizado com relação ao idioma do país.
Por exemplo, há países no Extremo Oriente, onde o custo de vida é comparativamente muito baixo, portanto, onde as traduções podem custar muito barato. Mas qual seria a probabilidade de encontrar um bom tradutor de inglês para português na Índia ou na China?
De qualquer modo, prevalece a lei da oferta e da procura. Essa ubiquidade que a Internet concede aos tradutores também lhes oferece uma noção de quanto se cobra pelo mundo afora pelo seu trabalho, para se ajustarem ao mercado globalizado. Partindo do pressuposto de que ninguém quer vender seus serviços por menos do que valem, e que quem praticar preços elevados demais terá pouca demanda, os preços do mercado de tradução (ainda, em 2019…) estão gradualmente se ajustando no mundo inteiro.
Existem vários fatores em jogo, como a relação entre oferta e procura pelos diversos pares de idiomas, que impedem uma maior uniformidade de preços. Cada par de idiomas, e num mesmo par, cada sentido (ou seja, de A para B comparado a de B para A) tem a sua distribuição estatística.
Contudo existem serviços de tradução em inúmeros níveis de complexidade e qualidade. Um tradutor competente que cobrar barato demais irá ficar assoberbado de serviço e não conseguirá ganhar para o seu sustento. Um tradutor incompetente que cobrar mais caro do que o seu serviço vale, em pouco tempo não terá mais clientes. Então, há um ajuste natural dos preços, todavia, ele não é suficientemente confiável para se acreditar que a qualidade da tradução será proporcional ao preço, embora não deixe de ser um indicador.
O assentamento da escala de preços de tradução
Venho observando um fenômeno interessante que acontece com os preços de tradução. Digamos que o preço médio de mercado para uma certa tradução feita com boa qualidade por um profissional competente fosse 100. Pouco importa o tamanho ou a moeda. É apenas uma referência. Em função da agressividade de cada tradutor no mercado, podemos considerar que esta seria uma faixa de 90 a 110.
Acima disso, teríamos os tradutores altamente especializados em certas áreas do conhecimento humano, para trabalhos que exigissem uma profunda compreensão do assunto a traduzir.
Abaixo disso, teríamos uma faixa de preços de 70 a 80, caracterizada por traduções apenas “passáveis”. Um verificador ortográfico não encontrará erros nelas, mas o texto evoca a sensação de “traduzido” piscando em letras de neon verde o tempo todo. Leitores poliglotas tendem involuntariamente a “destraduzir” tudo de volta, para entender. Leitores monoglotas irão ficar perplexos de vez em quando. Há muitos websites traduzidos assim. Quando a tradução é do inglês, uma das características frequentes deste nível de tradução é o uso exagerado de pronomes. Como os verbos em inglês não flexionam, eles exigem pronomes desnecessários em português. Quando encontrar uma tradução dizendo “Você verá…”, “Você poderá…”, “Você terá…”, ou então, “Nós fazemos…”, “Nós fornecemos…”, “Nós garantimos…”, certamente estará diante de um caso destes. Não é a única peculiaridade, porém é bastante comum.
No extremo inferior, teríamos as traduções feitas a um preço igual ou inferior a 50 na nossa escala, a metade do preço de uma tradução de boa qualidade. Particularmente, acho que encomendar uma tradução nesse nível é jogar dinheiro fora. A tradução automática, disponível gratuitamente na Internet, apresenta falhas diferentes, contudo, a qualidade geral é bem comparável. Quando me consultam sobre traduções nesta faixa de preços, costumo recomendar que utilizem a tradução automática gratuita. Se ela for feita apenas para constar, cumprir alguma exigência e depois ser engavetada para a eternidade, não se terá gasto dinheiro à toa. Se essa tradução for efetivamente necessária, terá sobrado mais dinheiro para um profissional capacitado refazer.
O leitor atento terá percebido que não disse nada sobre um preço de 60, ainda nesta mesma escala. É um ponto onde está se criando um abismo. Nenhum tradutor cuja capacidade permite cobrar mais irá trabalhar a este preço. Da mesma forma, os clientes de tradução estão percebendo que a qualidade do trabalho que obterão nesse nível de preço pode ser encontrada a preços ainda menores. Esta faixa está se tornando um deserto, tanto de tradutores como de clientes, que separa o trabalho inaceitável do apenas “passável”.
José Henrique Lamensdorf (in memoriam)