Tradução


TRADUÇÃO SIMPLES: de forma geral, qualquer documento, arquivo, livro, artigo, texto, enfim, que se deseje verter para outro idioma ou o nosso; traduções que não requerem juramentação, ou seja, que não serão usadas em órgãos governamentais, instituições escolares.

TRADUÇÃO TÉCNICA: em geral, documentos produzidos em empresas, para suas rotinas de trabalho, sejam manuais, contratos, cartas comerciais etc.

TRADUÇÃO JURAMENTADA: documentos que necessitam ser traduzidos por um tradutor certificado, quer dizer, qualificado a partir de um exame aplicado pelas Juntas Comerciais de cada estado. Esse tradutor aprovado em exame ganha um número de matrícula na Junta Comercial e *jura* que traduzirá fidedignamente os documentos que lhe chegarem às mãos, quando contratado.

***

NOTA: Ver artigo na janela – Curiosidade – (Traduzir não é simplesmente transpor um texto de uma idioma a outro…)

***
Tradução e versão
Sem querer entrar em detalhes teóricos mirabolantes, pode-se dizer que tradução é simplesmente o processo de levar uma mensagem escrita em uma língua para o universo cultural de outra língua. Isso inclui a preservação do sentido da mensagem original e o respeito à intenção do autor. E, claro, inclui ainda a compreensão da mensagem original, pois traduzir sem entender não é traduzir. A preservação da forma é um aspecto secundário, uma vez que em muitos casos a tradução precisa perder a forma original para se adaptar ao universo da outra língua. Mas às vezes preservar a forma (e não só o sentido) é essencial para a eficácia da tradução.
Na tradução, existe sempre uma língua de partida (ou língua-fonte) e uma língua de chegada (ou língua-alvo). Língua de partida é aquela em que foi escrita a mensagem original e Língua de chegada, aquela em que é escrita a tradução.
No Brasil, ocorre um fenômeno curioso: a tradução escrita que tem como língua de partida um idioma estrangeiro é uma tradução, mas se ela tiver como língua de partida o próprio idioma do tradutor, ela será uma versão. Mas os verbos correspondentes são usados de modo intercambiável: traduzir um texto é o mesmo que vertê-lo para outra língua. Essa distinção brasileira entre tradução e versão pode parecer exagerada, mas faz sentido quando se quer marcar bem as diferenças em termos de dificuldade ou preço, por exemplo. Para um tradutor falante nativo do português, uma tradução do inglês para o português é quase sempre mais fácil que uma tradução do português para o inglês. E os tradutores experientes que conhecem bem essa dificuldade (e suas implicações para a produção e rendimento do profissional) costumam cobrar mais por uma versão que por uma tradução. Essa dificuldade será tratada com mais detalhe adiante. Antes disso, há outra distinção a fazer. (Fabio M. Said)